DEFENDENDO A FÉ DESDE 1536; Sola Scriptura, sola Gratia, sola Fide, soli Deo Glória, solus Christus;

DEFENDENDO A FÉ DESDE 1536; SOLA SCRIPTURA, SOLA GRATIA, SOLA FIDE, SOLI DEO GLÓRIA, SOLUS CHRISTUS; Amados, quando empregava toda a diligência em escrever-vos acerca da nossa comum salvação, foi que me senti obrigado a corresponder-me convosco, exortando-vos a batalhardes, diligentemente, pela fé que uma vez por todas foi entregue aos santos. Judas:3;

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

DESENVOLVIMENTO DA MÚSICA HEBRAICA: J. I. PACKER

A história da música hebraica remonta à primeira pessoa que bateu com um pedaço de pau numa rocha, e estende-se à orquestra do templo e ao "celebrai com júbilo" solicitado no Salmo 98. Esse primeiro músico ouviu ritmo quando bateu seu primitivo instrumento. Percebendo que podiam fazer música, as pessoas criaram instrumentos mais complexos.  Por exemplo, atribui-se a Davi o invento de vários instrumentos, muito embora não saibamos precisamente quais foram (cf. Amós 6:5). Davi formou um coro de 4.000 cantores para oferecer louvores ao Senhor "com os instrumentos que Davi fez para esse mister" (1 Crônicas 23:5; cf. 2 Crônicas 7:6; Neemias 12:8). Davi compôs também cânticos, tais como seu lamento pela morte de Saul e Jônatas.  Embora Deus dirigisse o desenvolvimento social e religioso de Israel, a nação absorveu idéias de culturas circunvizinhas. Estava Israel numa encruzilhada geográfica e exposta a idéias e costumes de outras partes do mundo (Gênesis 37:25), incluindo-se o estilo musical.  Muitos homens de Israel casaram-se com mulheres estrangeiras cujos costumes aos poucos se infiltraram no estilo de vida hebreu. Segundo a coleção de escritos judeus pós-bíblicos, chamada Midrash, o rei Salomão casou-se com uma egípcia cujo dote incluía 1.000 instrumentos musicais. Se isto for verdadeiro, não resta dúvida de que ela trouxe músicos consigo para tocar esses instrumentos no estilo tradicional egípcio.  O fim a que a música servia e a reação dos ouvintes também influíram no desenvolvimento da música hebraica. Em tempos de guerra, amiúde era necessário fazer soar um alarme ou enviar algum outro tipo de aviso urgente. Desse modo, os hebreus criaram o shophar, um instrumento semelhante à trombeta, com tons altos, penetrantes (Êxodo 32:17-18; Juizes 7:18-20). O divertimento e a frivolidade exigiam os tons leves e alegres produzidos pela flauta (Gênesis 31:27; Juizes 11:34-35; Mateus 9:23-24; Lucas 15:23-25).  A. Efeito distrativo. Os dirigentes hebreus que serviam no templo tiveram muito cuidado em evitar o uso de música associada com a adoração paga sensual. Nas culturas onde eram comuns os ritos de fertilidade, mulheres cantoras e musicistas incitavam a orgias sexuais em honra de seus deuses. Mesmo instrumentos não associados com práticas pagas às vezes eram proibidos. O profeta Amós condenou os que cantavam "à toa ao som da lira" (Amós 6:5).  É claro, havia momentos em que as distrações da música podiam ser úteis. O dedilhar suave da harpa de Davi acalmava a um Saul atormentado (1 Samuel 16:23). Depois que Daniel foi lançado na cova dos leões, o rei Dario retirou-se para seus aposentos e não deixou que trouxessem à sua presença "instrumentos de música" (Daniel 6:18).  A música era parte importante da vida cotidiana. Diversões, casamentos e funerais não estavam completos sem ela. Até mesmo a guerra dependia da música, visto como instrumentos especiais soavam para chamar à batalha. A diversão e a descontração aristocráticas patrocinavam os músicos e suas habilidades.  B. Função no culto. A música também fazia parte da vida religiosa de Israel. O culto formal dos israelitas observava diversos rituais prescritos por Deus. A música servia de acompanhamento a esses rituais.  A música do templo constituía-se de cantores e orquestra. Cantores e músicos só podiam proceder dos varões de determinadas famílias. Do mesmo modo, os tipos de instrumentos eram restritos. Instrumentos que estivessem associados com mulheres, com diversão rouquenha ou estridente (tal como o sistro egípcio), ou com culto pagão estavam banidos da orquestra do templo.  O Antigo Testamento arrola diversos tipos de instrumentos na orquestra do templo (cf. 1 Crônicas 15:28; 16:42; 25:1). Esses instrumentos incluem a grande harpa (nevel), a lira (kinnor), o chifre de carneiro (shophar), a trombeta (chatsotserah), o tamborim (toph), e címbalos metsiltayim). Depois que os israelitas voltaram do exílio e reconstruíram o templo, a orquestra foi restabelecida (cf. Neemias 12:27). A gaita ou flauta (halil) provavelmente agora foi incluída, e a música vocal passou a ser mais proeminente.  Além do culto formal no interior do templo a música era parte de outras atividades religiosas. Instrumentos não permitidos no templo eram tocados em outras funções religiosas, tais como os dias de festa. Muitas vezes a festa começava com uma proclamação musical; então seguiam-se música, cântico e até mesmo dança. Permitia-se a participação das mulheres cantoras e musicistas (Esdras 2:65; Neemias 7:67; 1 Crônicas 35:25).  C. Limites de nosso conhecimento. O Antigo Testamento raramente menciona as formas de música, as origens dos instrumentos e assim por diante. O modo de executar ou de fabricar instrumentos era transmitido por tradição oral em vez de o ser por escrito. A maior parte dessa tradição oral perdeu-se, deixando-nos apenas a breve informação encontrada na Bíblia. Muito poucos instrumentos musicais antigos existem intactos, por isso devemos fazer conjecturas sobre como eram e como soavam. Comparando as referências bíblicas com os artefatos de outras culturas, os historiadores e arqueólogos têm ajudado a preencher muitas das lacunas de nosso conhecimento da música dos tempos bíblicos.  Este estudo é um processo contínuo como bem o demonstram as traduções mais recentes da Bíblia. Se compararmos passagens sobre a música de versões antigas da Bíblia com traduções mais recentes, podemos notar algumas diferenças. Extraído do livro: Vida Cotidiana nos Tempos Bíblicos - JAMES I. PACKER, MERRILL C. TENNEY e WILLIAM WHITE Fonte da imagem: http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Ernst_Josephson._-_David_och_Saul.JPG

Nenhum comentário: