DEFENDENDO A FÉ DESDE 1536; Sola Scriptura, sola Gratia, sola Fide, soli Deo Glória, solus Christus;

DEFENDENDO A FÉ DESDE 1536; SOLA SCRIPTURA, SOLA GRATIA, SOLA FIDE, SOLI DEO GLÓRIA, SOLUS CHRISTUS; Amados, quando empregava toda a diligência em escrever-vos acerca da nossa comum salvação, foi que me senti obrigado a corresponder-me convosco, exortando-vos a batalhardes, diligentemente, pela fé que uma vez por todas foi entregue aos santos. Judas:3;

terça-feira, 12 de junho de 2012

APOCALIPSE 3,20 – COMENTÁRIOS



  vivendopelapalavra.com Por: Helio Clemente Apocalipse 3,20: “Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo”. Na verdade, a colocação neste verso não é o bater ou abrir a porta, mas, ouvir a Palavra de Cristo. Visto desta forma este verso toma o sentido coerente de todo o evangelho, pois a salvação vem pelo ouvir a Palavra, mas somente aqueles chamados por Deus recebem a Palavra, como vemos em vários versos no evangelho. Romanos 10,17: “E, assim, a fé vem pela pregação, e a pregação, pela palavra de Cristo”. João 10, 26-28: “Mas vós não credes, porque não sois das minhas ovelhas. As minhas ovelhas ouvem a minha voz; eu as conheço, e elas me seguem. Eu lhes dou a vida eterna; jamais perecerão, e ninguém as arrebatará da minha mão”. João 8,43-44: “Qual a razão por que não compreendeis a minha linguagem? É porque sois incapazes de ouvir a minha palavra. Vós sois do diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhe os desejos. Ele foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira”. João 18,37: “Então, lhe disse Pilatos: Logo, tu és rei? Respondeu Jesus: Tu dizes que sou rei. Eu para isso nasci e para isso vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade ouve a minha voz”. Pode-se ver no verso abaixo, que o sentido de receber está diretamente ligado a ouvir a Palavra de Cristo. Mateus 10,14: “Se alguém não vos receber, nem ouvir as vossas palavras, ao sairdes daquela casa ou daquela cidade, sacudi o pó dos vossos pés”. Vemos que Jesus termina quase todas as suas parábolas com este sentido de “ouvir” sem entender, pois este entendimento é dado somente por Deus, segue abaixo a explicação de Jesus aos apóstolos que o questionaram sobre isto. Mateus 13,9-11: “Quem tem ouvidos para ouvir, ouça. Então, se aproximaram os discípulos e lhe perguntaram: Por que lhes falas por parábolas? Ao que respondeu: Porque a vós outros é dado conhecer os mistérios do reino dos céus, mas àqueles não lhes é isso concedido”. Em Atos, vê-se novamente este sentido do ouvir, no sentido salvífico, que é defendida pelos apóstolos. Atos 3,23: “Acontecerá que toda alma que não ouvir a esse profeta será exterminada do meio do povo”. Atos 4,19: “Mas Pedro e João lhes responderam: Julgai se é justo diante de Deus ouvir-vos antes a vós outros do que a Deus”. Quando os discípulos voltaram cheios de si da missão que lhes incumbiu Jesus, ele disse que a obra não era deles, mas de Deus, eles então se afastaram e não mais andavam com ele, recusavam-se a ouvir suas palavras, pois haviam sido feridos em sua vaidade. João 6,60: “Muitos dos seus discípulos, tendo ouvido tais palavras, disseram: Duro é este discurso; quem o pode ouvir?”. Por outro lado, vemos esta situação de uma forma positiva em outras ocasiões. Lucas 10,24: “Pois eu vos afirmo que muitos profetas e reis quiseram ver o que vedes e não viram; e ouvir o que ouvis e não o ouviram”. Lucas 10,39: “Tinha ela uma irmã, chamada Maria, e esta quedava-se assentada aos pés do Senhor a ouvir-lhe os ensinamentos”. Lucas 11,31: “A rainha do Sul se levantará, no Juízo, com os homens desta geração e os condenará; porque veio dos confins da terra para ouvir a sabedoria de Salomão. E eis aqui está quem é maior do que Salomão”. Lucas 15,1: “Aproximavam-se de Jesus todos os publicanos e pecadores para o ouvir”. Apocalipse 3,20 - Comentários de John Gill: Estas palavras não foram pronunciadas para pecadores não regenerados, nem fazem elas qualquer referência para o abrir dos corações dos homens na conversão, mas são dirigidas ao anjo da igreja de Laodicéia, e para os membros daquela igreja, pessoas já convertidas que professavam o nome de Cristo; os quais, embora não fossem quentes, não eram todavia frios, embora eles estivem neste estado de indiferença; este é o método apropriado para trazê-los de volta; que é um paralelo com a igreja em Cantares de Salomão: Cantares 5,2: “Eu dormia, mas o meu coração velava; eis a voz do meu amado, que está batendo: Abre-me, minha irmã, querida minha, pomba minha, imaculada minha, porque a minha cabeça está cheia de orvalho, os meus cabelos, das gotas da noite”. Este texto é o único no qual é dito Cristo bater, e requerer de alguém que abra para ele. O seu estar na porta pode significar sua proximidade para julgar, esta igreja de Laodicéia é a última das igrejas, e representa o estado da igreja nos últimos tempos, que se concluirá com o julgamento final. Tiago 5,8-9: “Sede vós também pacientes e fortalecei o vosso coração, pois a vinda do Senhor está próxima. Irmãos, não vos queixeis uns dos outros, para não serdes julgados. Eis que o juiz está às portas”. Ou senão o propósito é mencionar a sua presença nesta igreja, o que mostra seu continuado amor, cuidado, condescendência, e paciência para com ela. Seu bater na porta não é pelo ministério da palavra, mas por algumas dolorosas dispensações de providência, talvez perseguição. Esta igreja estava em uma forma sonolenta, morna, indiferente e segura de espírito, como aparece a partir do verso quinze: Apocalipse 20,15-18: “Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente. Quem dera fosses frio ou quente! Assim, porque és morno e nem és quente nem frio, estou a ponto de vomitar-te da minha boca; pois dizes: Estou rico e abastado e não preciso de coisa alguma, e nem sabes que tu és infeliz, sim, miserável, pobre, cego e nu. Aconselho-te que de mim compres ouro refinado pelo fogo para te enriqueceres, vestiduras brancas para te vestires, a fim de que não seja manifesta a vergonha da tua nudez, e colírio para ungires os olhos, a fim de que vejas”. Cristo não permitirá que ela continue assim, e, portanto, toma sua vara em suas mãos, vai à sua porta, e chama, para trazê-la para si mesmo, e para fora deste estado e condição de indolência, indiferença e autoconfiança no qual ela estava; cujo sentido é confirmado pelo verso precedente: Apocalipse 3,19: “Eu repreendo e castigo a todos quantos amo: sê pois zeloso, e arrepende-te”. A promessa que ele (Cristo) faz é somente para aqueles que estão sendo chamados, isto é, os eleitos de Deus, que escutam a Palavra de Cristo, a voz da disciplina, e reconhecem quem a ordenou. Quando a voz do Senhor chama, o filho de Deus responde: Eis-me aqui! Miquéias 6,9: “A voz do SENHOR clama à cidade (e é verdadeira sabedoria temer-lhe o nome): Ouvi, ó tribos, aquele que a cita”. A disciplina de Cristo pede o exercício de uma vida de fé e amor, o seu ato de bater à porta é apenas o chamado para ouvir a Palavra, somente pela Palavra o eleito recebe a comunhão e intimidade do Senhor, este chamado indica que a comunhão com Deus somente é estabelecida pela Palavra de Cristo. Muitas vezes este ato de abrir a porta não leva a lugar algum, o chamado não era real e a pessoa, por si mesma, ouve, mas não consegue receber a Palavra da verdade. Cantares 5,4: “O meu amado meteu a mão por uma fresta, e o meu coração se comoveu por amor dele. Levantei-me para abrir ao meu amado; as minhas mãos destilavam mirra, e os meus dedos mirra preciosa sobre a maçaneta do ferrolho. Abri ao meu amado, mas já ele se retirara e tinha ido embora; a minha alma se derreteu quando, antes, ele me falou; busquei-o e não o achei; chamei-o, e não me respondeu”. Sproul: Todos já ouvimos evangelistas citarem Apocalipse, capítulo três, verso vinte. Geralmente o evangelista aplica esse texto como um apelo patético ao inconverso, dizendo algo do tipo: “Jesus está batendo na porta do seu coração. Se você abrir a porta, então ele entrará”. Todavia, no contexto da passagem, Jesus dirigiu seus comentários a um grupo de crentes já convertidos, não se trata de um apelo evangelístico. E daí? O ponto é que buscar a Deus é algo que os incrédulos não podem fazer, o incrédulo jamais buscará a Deus sem que seja chamado para isso, o incrédulo não abriria jamais. Buscar a Deus é resultado da salvação, não a causa dela.

Nenhum comentário: