DEFENDENDO A FÉ DESDE 1536; Sola Scriptura, sola Gratia, sola Fide, soli Deo Glória, solus Christus;

DEFENDENDO A FÉ DESDE 1536; SOLA SCRIPTURA, SOLA GRATIA, SOLA FIDE, SOLI DEO GLÓRIA, SOLUS CHRISTUS; Amados, quando empregava toda a diligência em escrever-vos acerca da nossa comum salvação, foi que me senti obrigado a corresponder-me convosco, exortando-vos a batalhardes, diligentemente, pela fé que uma vez por todas foi entregue aos santos. Judas:3;

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Cristo foi ao inferno pregar aos espíritos em prisão?


John StevensonPorque também Cristo morreu pelos pecados de uma vez por todas, o justo pelos injustos, a fim de que ele poderia nos levar a Deus, tendo sido condenado à morte na carne, mas vivificado no espírito; no qual também foi, e apregoou aos espíritos agora na prisão, uma vez que foram rebeldes, quando a paciência de ficar esperando em Deus nos dias de Noé, durante a construção da arca, na qual poucas, isto é, oito pessoas foram levadas a salvo através da água. (1 Pedro 3:18-20). Houve uma série de interpretações variadas oferecidos desta passagem ao longo da história da igreja. Teólogos e Interpretações. Clemente de Alexandria (200 AD) Cristo foi para o inferno em seu espírito para proclamar a mensagem da salvação para as almas dos pecadores que haviam sido presos lá desde o tempo do dilúvio (Stromateis 6:6). Agostinho (400 dC) O Cristo preexistente proclamou a salvação através de Noé para as pessoas que viveram antes do dilúvio (Epistolae 164). Cardeal Roberto Belarmino (1570), um teólogo católico romano O espírito de Cristo foi para libertar as almas dos justos que se arrependeram antes do dilúvio e foram mantidos no limbo, o lugar entre o céu eo inferno, para onde as almas dos santos do Antigo Testamento foram mantidos (DeControversiis 2:4,13). Friedrich Spitta (1890) Depois de sua morte e antes da sua ressurreição, Cristo pregou aos anjos caídos, também conhecido como "filhos de Deus", que durante o tempo de Noé havia se casado com "filhas dos homens" (Gênesis 6:2; 2 Pedro 2:4 e Judas 6). Pessoalmente, gostaria de sugerir que a maioria dessas interpretações ignora o contexto da passagem. Por isso proponho uma alternativa. O contexto desta passagem está falando de encorajamento para os crentes a perseverar em meio ao sofrimento. O sofrimento de Cristo é visto em contraste com o sofrimento dos cristãos, que eram para estar pronto para dar uma defesa para a sua esperança. O nosso modelo é Cristo. Nós sofremos, e Ele também sofreu. Seu sofrimento ocorreu na carne (como faz o nosso). E sua ressurreição vitoriosa ocorreu no Espírito. Foi através deste mesmo Espírito que o anúncio foi feito para aqueles que viveram nos dias de Noé. Isso significa que Cristo foi para fazer este anúncio após a Sua ressurreição? Não. Significa apenas que o mesmo Espírito que foi responsável pela ressurreição também foi responsável pela pregação para essas pessoas nos dias de Noé. Pedro já falou da mensagem dos profetas do Antigo Testamento e como "o Espírito de Cristo dentro deles foi indicando como Ele predisse os sofrimentos de Cristo e as glórias a seguir" (1 Pedro 1:11). Da mesma forma, o Espírito de Cristo estava em Noé como ele (Noé) "fez proclamação aos espíritos que estão agora na prisão." O Espírito Apregoou por meio da pregação de Noé para os espíritos que estão agora na prisão Fez Jesus vivo depois que Ele havia sido condenado à morte na carne Nos faz viver em um batismo espiritual (e não apenas uma limpeza física) Para resumir: Cristo foi vivificado pelo Espírito. Foi este mesmo Espírito que também falou por meio de Noé aos povos do mundo antes do Dilúvio. Essas pessoas que rejeitaram a pregação do Espírito através de Noé e que morreram no dilúvio são "agora na prisão." A implicação é que, se vamos aceitar a pregação do Espírito através de Jesus e seus apóstolos, então podemos ser salvos como Noé e sua família foram salvos. Caso contrário, vamos encontrar-nos na prisão, também. Fonte: John Stevenson  Titulo original: Um breve estudo de 1 Pedro 3:18-20 (A SHORT STUDY OF 1 PETER 3:18-20)

Nenhum comentário: