DEFENDENDO A FÉ DESDE 1536; Sola Scriptura, sola Gratia, sola Fide, soli Deo Glória, solus Christus;

DEFENDENDO A FÉ DESDE 1536; SOLA SCRIPTURA, SOLA GRATIA, SOLA FIDE, SOLI DEO GLÓRIA, SOLUS CHRISTUS; Amados, quando empregava toda a diligência em escrever-vos acerca da nossa comum salvação, foi que me senti obrigado a corresponder-me convosco, exortando-vos a batalhardes, diligentemente, pela fé que uma vez por todas foi entregue aos santos. Judas:3;

terça-feira, 31 de julho de 2012

Augustus Nicodemus Lopes - Herói ou traidor? A saga dos Cainitas



Desde cedo na história da cristandade apareceram diferentes versões do que realmente aconteceu naquela noite da última Páscoa. De acordo com os Evangelhos canônicos – Mateus, Marcos, Lucas e João, Jesus se reuniu com os Doze num cenáculo mobiliado, que ele tomara emprestado de alguém em Jerusalém. Ali, Jesus teria lavado os seus pés e enquanto comiam o cordeiro pascoal de conformidade com o rito judaico, revelou que seria traído por um deles. Ali Jesus ensinou o sentido da Páscoa, instituindo a Ceia aos seus discípulos como memorial a ser celebrado até seu retorno a este mundo. Quando mais tarde se encontravam no Monte das Oliveiras, num jardim chamado Getsêmani, Judas retorna com uma escolta de soldados e entrega Jesus aos principais dos sacerdotes, traindo assim seu Mestre. A crucificação ocorre no dia seguinte. O real papel de Judas no drama pascoal tem sido motivo de especulação por parte de movimentos marginais do Cristianismo desde tempos imemoriais. A mais conhecida é a tentativa de redimir Judas por parte de uma seita gnóstica conhecida como os cainitas, que elaborou o espúrio Evangelho de Judas. A descoberta deste “evangelho” em anos recentes trouxe grande polêmica inclusive na grande mídia (veja meu artigo sobre este Evangelho em:  http://tempora-mores.blogspot.com/2006/04/judas-redivivo-e-desagravado.html). A seita dos cainitas, autora do documento segundo Irineu em Contra as Heresias, era especialista em reabilitar personagens bíblicas malignas, como Caim e os sodomitas. Judas, provavelmente a mais famigerada personagem bíblica de todos os tempos, tornou-se alvo de reabilitação por parte deles mediante a elaboração de um Evangelho atribuído ao próprio Judas. De acordo com esta obra, Judas Iscariotes era o único entre os apóstolos de Cristo que tinha o verdadeiro conhecimento, a gnose salvadora, e traiu o Messias físico com a boa intenção de destruir o império do Deus mal dos judeus. A traição, na verdade, teria sido uma incumbência que o próprio Jesus teria dado a Judas, homem crente piedoso e seu discípulo predileto. Já no século V o bispo Epifânio critica o Evangelho de Judas por tornar o traidor em um feitor de boas obras. A crítica de Epifânio está correta e revela qual é o maior desafio que os cainitas enfrentavam, que era explicar as passagens dos Evangelhos que dizem exatamente o contrário. Menciono e comento algumas delas. João 13:8-11 – Nesta conhecida passagem do “lava-pés” Jesus diz a Pedro, “vós estais limpos, mas não todos” (13:10). E João comenta, “Pois ele sabia quem era o traidor. Foi por isso que disse: Nem todos estais limpos” (13:11). “Estar limpo” no contexto significa ter parte com Cristo, ter sido lavado dos seus pecados. Todos os apóstolos, menos Judas, estavam limpos. Portanto, somente Judas não tinha parte com Cristo. E isto significa que foi o único que não foi salvo. João 6:64 – Jesus declarou abertamente que Judas era descrente: “Contudo, há descrentes entre vós. Pois Jesus sabia, desde o princípio, quais eram os que não criam e quem o havia de trair”. Fica difícil admitir que Judas era salvo ou crente diante desta declaração. Aqui Judas é colocado em contraposição aos onze apóstolos que criam e Jesus o chama de “descrente.” Se a fé é a condição para a salvação, segue-se que Judas perdeu-se. Mateus 26:14-15 – Mateus registrou que a intenção de Judas ao trair Jesus era simplesmente o dinheiro: “Então, um dos doze, chamado Judas Iscariotes, indo ter com os principais sacerdotes, propôs: Que me quereis dar, e eu vo-lo entregarei? E pagaram-lhe trinta moedas de prata”. Se Judas tinha outra intenção, que fosse nobre, correta e justa, não é isto que consta nos Evangelhos. Ao contrário, o amor ao dinheiro foi sua motivação. Os Evangelhos relatam que desde o início Judas mostrou ganância e avareza: “Mas Judas Iscariotes, um dos seus discípulos, o que estava para traí-lo, disse: Por que não se vendeu este perfume por trezentos denários e não se deu aos pobres?  Isto disse ele, não porque tivesse cuidado dos pobres; mas porque era ladrão e, tendo a bolsa, tirava o que nela se lançava” (Jo 12:4-6). Portanto, a real intenção da traição não foi um propósito teológico nobre, como a seita dos cainitas asseverou em seu Evangelho de Judas, mas o motivo mais antigo de todos, a cobiça. Mateus 27:3-5 – Esta passagem registra a atitude de Judas após constatar as conseqüências da traição, ou seja, que Jesus foi condenado e morto. Mateus diz que Judas, “tocado de remorso, devolveu as trinta moedas de prata aos principais sacerdotes e aos anciãos, dizendo:  Pequei, traindo sangue inocente” (27:3-4). O verbo usado por Mateus para descrever o sentimento de Judas é um verbo neutro em si, que indica apenas o sentimento interior. Ele precisa ser complementado com outras descrições de mudança de atitude e de obediência para poder significar real arrependimento. Mas a atitude de Judas, após se sentir tocado de remorso e admitir que havia pecado, foi de tirar sua própria vida. Ao contrário de Pedro que também havia negado a Jesus mas que não viu o suicídio como o caminho certo, Judas resolve tirar a própria vida, sem buscar Aquele que teria poder para perdoá-lo, pois não tinha fé. Lucas 22:3 – Lucas registra que antes da traição “Satanás entrou em Judas, chamado Iscariotes, que era um dos doze” (ver João 13:2). João diz que este momento acontece durante a Ceia, após Judas ter comido o pão dado por Jesus: “após o bocado, imediatamente, entrou nele Satanás” (João 13:27).Satanás jamais poderia ter “entrado” em Judas se este fosse realmente de Cristo, salvo e seu discípulo predileto. O máximo que Satanás poderia ter feito com um verdadeiro crente e discípulo de Jesus era tentar, oprimir e assediar, como ele fez com Pedro, a ponto de Jesus repreendê-lo, “arreda, Satanás!”. O fato de que Judas agiu voluntariamente debaixo de ação satânica, e que era um servo de Satanás para a realização de seus propósitos malignos, não deixa dúvida de que realmente ele tinha parte com o inferno e não com o Salvador. João 6:70-71 –  “Replicou-lhes Jesus: Não vos escolhi eu em número de doze? Contudo, um de vós é diabo. Referia-se ele a Judas, filho de Simão Iscariotes; porque era quem estava para traí-lo, sendo um dos doze.” É verdade que Jesus escolheu Judas depois de uma noite de oração para fazer parte dos Doze. Isto significaria que Judas era salvo e um filho de Deus? Somente se pudéssemos provar que todos aqueles que Deus levantou na história para realizar seus propósitos foram realmente salvos. Mas, quando lemos a história de Faraó, rei pagão que foi levantado e usado por Deus, verificamos que esta tese não se sustenta. Vejamos o que Deus diz de Faraó: “Para isto mesmo te levantei, para mostrar em ti o meu poder e para que o meu nome seja anunciado por toda a terra” (Romanos 9:17). No contexto, Faraó faz parte dos não eleitos, dos vasos de ira preparados para a perdição. Todavia, Deus o levantou e usou para a glória de Seu Nome. Desde o início Jesus sabia que Judas era diabo e que haveria de traí-lo. A escolha de Judas foi feita dentro do plano soberano de Deus com o fim de realizar seus propósitos, sem que isto em momento algum tirasse a responsabilidade de Judas. Isto fica claro em outra passagem quando Jesus diz que Judas não pertence aos seus escolhidos, e que foi contado somente para que a Escritura que fala da sua traição se consumasse: “Não falo a respeito de todos vós, pois eu conheço aqueles que escolhi; é, antes, para que se cumpra a Escritura: Aquele que come do meu pão levantou contra mim seu calcanhar” (João 13:18). João 17:12 – Nesta passagem Jesus faz a distinção entre os onze apóstolos e Judas. Enquanto que Ele guardou os primeiros, o último é chamado de “filho da perdição”: “Quando eu estava com eles, guardava-os no teu nome, que me deste, e protegi-os, e nenhum deles se perdeu, exceto o filho da perdição, para que se cumprisse a Escritura.” A referência é claramente a Judas, conforme o contexto declara indubitavelmente. Judas foi o único que se perdeu de entre os Doze, pois era o filho da perdição, levantado para cumprir as Escrituras que prediziam a morte do Messias. Filho da perdição significa simplesmente alguém que está condenado à perdição. No original grego há um jogo de palavras entre “nenhum se perdeu” e o “filho da perdição” indicando o óbvio contraste entre os apóstolos e Judas. Atos 1:16-26 – O livro de Atos registra o preenchimento da vaga de Judas entre os Doze por Matias. No processo de escolha, Pedro faz diversas referências a Judas. Judas tinha sido “contado entre nós e teve parte neste ministério” (1:17). A traição dele e sua saída do grupo apostólico já estavam previstas em algumas Escrituras, “está escrito no Livro dos Salmos: Fique deserta a sua morada; e não haja quem nela habite; e: Tome outro o seu encargo” (1:20). A sua substituição era necessária, pois “Judas se transviou, indo para o seu próprio lugar” (1:25). Transparece com clareza das declarações de Pedro que os demais apóstolos em momento algum entenderam que Judas era um deles, alguém que tinha errado bastante mas que ao final era salvo. Ao contrário, ele teria ido para “seu próprio lugar,” que era o lugar dos apóstatas, dos incrédulos e dos condenados ao inferno. Estas passagens acima tiradas dos Evangelhos canônicos mostram claramente que não é possível compatibilizar o Judas herói, crente e nobre dos cainitas com o Judas traidor, filho da perdição, descrente e mesquinho, retratado em Mateus, Marcos Lucas e João. O que nos coloca diante de uma escolha, se vamos aceitar a autoridade deles ou dos cainitas. Não resta dúvida que somos tão pecadores quanto Judas. Mas existe uma diferença entre o pecado do crente e do descrente. Quando o crente peca, ele o faz contra a sua natureza regenerada, contra a sua consciência santificada, contra as advertências do Espírito que nele habita, e à revelia da Palavra de Deus que ele ama e deseja seguir. Portanto, quando ele se arrepende, retorna a Deus em quebrantamento real e disposição de consertar seus erros. O verdadeiro arrependimento inclui a fé em Deus e no Seu Filho Jesus Cristo. Mas, quando o descrente peca, ele o faz de acordo com sua natureza não regenerada. Quando em alguns casos sua consciência amortecida o toca, ele reage com remorso e mesmo arrependimento e tristeza. Todavia, porque não crê e não tem esperança de perdão, tenta sufocar a consciência pesada e o desespero por meios humanos, entre eles o mais extremado de todos, o suicídio. Não estou dizendo que todo suicida vai para o inferno. Estou dizendo que o suicídio é pecado e que se cometido por alguém que se dizia crente, temos que deixar o assunto nas mãos daquele que conhece os corações e julga todas as coisas. A história triste de Judas nos ensina a viver uma vida de arrependimento verdadeiro e a não deixar o dinheiro ou outra coisa qualquer se tornar um ídolo em nosso coração e destronar o Senhor da Glória. Por rev. Augustus Nicodemus LopesUm Canal Reformado! Sempre reformando!

Nenhum comentário: