DEFENDENDO A FÉ DESDE 1536; Sola Scriptura, sola Gratia, sola Fide, soli Deo Glória, solus Christus;

DEFENDENDO A FÉ DESDE 1536; SOLA SCRIPTURA, SOLA GRATIA, SOLA FIDE, SOLI DEO GLÓRIA, SOLUS CHRISTUS; Amados, quando empregava toda a diligência em escrever-vos acerca da nossa comum salvação, foi que me senti obrigado a corresponder-me convosco, exortando-vos a batalhardes, diligentemente, pela fé que uma vez por todas foi entregue aos santos. Judas:3;

terça-feira, 17 de julho de 2012

Os Puritanos e a Soberania de Deus - Estavam no mundo, mas não eram do mundo



Depois da Reforma Protestante naEscócia e na Inglaterra, houve um período de esfriamento e baixa no modo devida cristão da época, o que levou alguns cristãos a não mais permitiracréscimos de tradição humana nos cultos a Deus, alegando a quebra do segundomandamento, reclamaram que a tradição dificultava a clareza do Evangelho eimpedia o poder de Deus sobre a Igreja, esses cristãos da Escócia e Inglaterraficaram conhecidos como Os Puritanos, palavra que vem do inglês esignifica purificar.Eles queriam purificar o culto aDeus, através da Palavra, queriam purificar também o governo da Igreja, a vidada família, o comércio, os negócios e posteriormente até o governo civil.SegundoRev. Augustus Nicodemus Lopes[1]: “Eles queriamreformar as escolas e as universidades à luz da Palavra de Deus. Por isso começarama orar e a pregar para que toda a terra, em todos os aspectos do país, fossereformada pela Palavra”. Tinham uma consciência de que a Palavra de Deusjuntamente com o Espírito traz a vitória, a vida e a reforma. Sofreram grandesperseguições, inclusive do governo inglês que temia que a Igreja tivesse umpoder político grande.A Soberania de Deus, ênfase dadoutrina utilizada pelos calvinistas, era um dos pontos que prevaleciam na vidade um puritano, eles eram ativos e corajosos, resistindo às perseguições,sentiam uma satisfação interior em saber que estavam salvos, que tinham umacomunhão direta com Deus, e essas pessoas eram dentre outras: donas de casa,artesãos e comerciantes, mas que eram fortes, pois sentiam a presença doEspírito de Deus, tinham a convicção de que eram eleitos de Deus, através deCristo, o que deu-lhes autoconfiança numa época em que havia tanta incertezaeconômica e adversidade política. Segundo Rev. Augusto Nicodemus Lopes comentasobre o Prof. Hill: "foi essa coragem e confiança que capacitavam osPuritanos a lutar por meio de armas espirituais, econômicas ou militares, paracriar um mundo novo, digno daquele Deus que os havia abençoado de forma tãomarcante".  O Dr. Perry Miller da Universidade de Harvard, que é ogrande historiador dos Puritanos nos E.E.U.U., certa vez disse: “É impossívelvocê imaginar um Puritano sem esperança; eles criam na Soberania de Deus, eisso os fazia agir em face de qualquer dificuldade. Eles sabiam perfeitamenteque, se Deus é por nós, nada ou ninguém pode ser contra nós, eram em suamaioria adeptos das teorias calvinistas”.Eles estavam preocupados emagradar ao Senhor Jesus e não a humanos, pois não queriam comprometer a sua fé.Segundo Rev. AugustusNicodemus Lopes: “eles estavam convencidos de que, uma vez que o Senhor Jesushavia ressuscitado dentre os mortos, não podiam ser derrotados de forma algumase Deus estivesse ao lado deles”.  Os puritanos davam grandeimportância na vocação de cada pessoa, é neste ponto que a oikonomia daépoca começa a sofrer grandes transformações. Eles ensinavam a cada um, anecessidade de glorificar a Deus através da vocação secular, o sacerdóciouniversal ensinado pelos protestantes no início da Reforma, mesmo estudiososmarxistas do século XX, como o Professor Arcangius de Leningrado, dá créditoaos Puritanos por terem elevado a moral da classe trabalhadora da Inglaterranaquele período.Ao invés de distribuir recursosaos mais necessitados, segundo Rev. Augustus Nicodemus Lopes: “...osPuritanos organizaram sociedades e sistemas, que pudessem ajudar estas pessoasa aprender uma vocação. Eles diziam às pessoas pobres que elas haviam sidocriadas à imagem de Deus tanto quanto o Rei, e que o sangue de Jesus tinha sidoderramado por todo tipo de pessoas, que eles haviam sido chamados para servir aDeus em suas vidas de acordo com o propósito de Deus”.Isso alavancou a moral dos maispobres, que começaram a descobrir seus talentos, através de treinamentos dadospelos puritanos e usaram o mesmo em favor dos lugares onde moravam. As mudançascomeçavam a acontecer, e os crimes caíram profundamente neste período, pois ofim principal era agradar a Deus, seja rico, ou seja, pobre.Os puritanos aplicavam no dia adia tudo que aprendiam dentro da igreja, diziam que para agradar a Deus, asprofissões não tinham diferença, que em todo lugar estavam na presença de Deus,que tinham um chamado para mudar cada área da vida em algo santo para Deus. Porcausa do teor das pregações, de igualdade perante o Criador, muitas igrejas fecharama porta para os puritanos, foi quando homens simpatizantes da causa puritanaauxiliaram financeiramente com os juros de seus negócios esses pregadores, elesacreditavam que pela pregação da Palavra a economia inglesa cresceria eaumentariam ainda mais suas rendas.Outro ponto que os puritanosqueriam reformar, além do coração das pessoas, era o intelecto, para que fossembem educados e preparados para ouvir, e com o ouvir com o coração cheio defervor a amor a Deus, mudariam a vida da comunidade em que viviam, o intelectoe o coração, que os puritanos chamavam de auto-controle, uma meditação contínuana Palavra de Deus. Existia comunhão dentro dafamília, o que trouxe uma nova ternura e um refinamento aos sentimentos àsafeições do lar, eles voltavam da igreja e conversavam a respeito do sermão comseus filhos, criaram assim o culto doméstico, o que muitos sociólogos chamaramde espiritualização da família. Os pais ensinavam seus filhos a ter umaprofissão, para que os mesmos não se envolvessem em crimes, seja qual for otipo de vocação. Esse fator gerou um senso de responsabilidade e diligencia nahistória de colonização dos Estados Unidos. Até a ascensão de muitos pobres, naépoca tinha influencia puritana, o Professor Jordan escreveu um livro importante:"Filantropia na Inglaterra - 1480/1660". Neste livro, ele mostra queos puritanos fizeram mais do que qualquer outro grupo para esvaziar as favelas,diminuir o crime e acabar com a pobreza.Os pobres tiveram grandeassistência puritana, pois acreditavam que a misericórdia de Deus devia serdemonstrada a todas as pessoas de forma prática. Eles não eram socialistas,pois defendiam o direito da propriedade privada, mas reestruturaram a economia,e lutaram contra os direitos coletivos, a ponto de pedir a queda de governosque fossem tiranos. Um fato importante é que esses puritanos calvinistasauxiliaram na revolução americana, com mais de dois terços da populaçãoenvolvida.Como o Rev. AugustusNicodemus Lopes citou: “Jovens fortes, intelectuais, progressistas,atuais, caçavam, praticavam esportes, usavam roupas coloridas e faziam amor comsuas mulheres, tudo isto para Glória de Deus, que os colocou em posição deliberdade. Não eram soberbos, melancólicos ou severos”.Olhavam a vida através da lenteampla da Soberania de Deus em todas as áreas de sua vida. “Estavam no mundo,mas não eram do mundo”.[1] LOPES, AugustusNicodemus. Pregação puritana (1). in: Jornal Os Puritanos Ano II -Número 3 (Junho 1993), pp. 7-9.Trecho extraído do trabalho deminha autoria: "Oikonomia, um caminho sobremodo excelente" 

Nenhum comentário: