DEFENDENDO A FÉ DESDE 1536; Sola Scriptura, sola Gratia, sola Fide, soli Deo Glória, solus Christus;

DEFENDENDO A FÉ DESDE 1536; SOLA SCRIPTURA, SOLA GRATIA, SOLA FIDE, SOLI DEO GLÓRIA, SOLUS CHRISTUS; Amados, quando empregava toda a diligência em escrever-vos acerca da nossa comum salvação, foi que me senti obrigado a corresponder-me convosco, exortando-vos a batalhardes, diligentemente, pela fé que uma vez por todas foi entregue aos santos. Judas:3;

quinta-feira, 12 de julho de 2012

QUESTIONAMENTOS HUMANOS



Introdução            Porque Deus sabendo que o homem iria pecar, o criou assim mesmo? Por que tanto sofrimento na vida presente e a salvação depois somente após a morte? Porque o evangelho de Cristo não é um evangelho de paz, de amor e compaixão para com o próximo? Por quê? Por quê? Por quê? Lembro-me de todos os meus filhos quando começaram a indagar o motivo das coisas serem da forma que são, ou o motivo de ser o que são. Todas as vezes que algo nos é nebuloso, oculto e do qual não temos as respostas, invariavelmente questionamos: por quê? Mas quando somos mais crescidos podemos complicar um pouco mais os questionamentos: qual o motivo do por quê? Será que de fato não sabemos? Estamos especulando? Queremos saber se o outro tem uma resposta melhor do que a nossa? Ou de fato queremos aprender algo como uma criança? Jesus afirmou que esta última é o ideal. “Portanto, aquele que se humilhar como esta criança, esse é o maior no reino dos céus” (Mateus 18:4).  Fé e razão          Nota-se que o teor das perguntas tem como base o sofrimento humano, nas suas necessidades, angústias, sendo ele, portanto, o centro da história e não Deus. A perspectiva humana sobre quem ele é, sobre o que ele vive, sobre o que ele vai ser, são questionamentos construídos sob a égide do racionalismo kantiano e sob o desdém de Nietsche que afirma que o Deus da Escritura morreu e que o super-homem surgiu em seu lugar. Para se responder a estas questões não se presta unicamente o seu questionador ter respostas a partir de suas perguntas, mas deve o questionador despir-se completamente de sua ótica pós-modernista e, como uma criança, revestir-se de um novo homem (Efésios 4.22 e Romanos 8.29; 12.1-2) . Ou seja, refazer todas as perguntas de forma a se submeter de forma humilde a todas as respostas não com a centralidade no homem, mas sob a perspectiva da Revelação Divina.            Depois das grandes mudanças ocorridas na epistemologia científica e, portanto, filosófica; até mesmo Deus começou a ser olhado sob a ótica da matemática, da biologia, da psicologia, da física, da pedagogia, etc. Tais matérias podem e dever ser usadas para compreender muitas coisas, entretanto, Deus não. Não podemos colocar os óculos das ciências para tentar entender Deus ou Sua Revelação, por que isso acarreta no erro inicial, ou seja, tentamos entender Deus e o próprio homem a partir da ótica humana. Como se afirma “cada um tem a sua verdade...” e “cada um tem a sua interpretação da Bíblia”. E Deus termina por ser questionado de forma indevida. Doutra sorte, podemos olhar as ciências e o homem com os óculos da Revelação de Deus. A Bíblia é completamente inerrante (em suas línguas originais) e interpreta a si mesma de forma mais pura. Isso nos dá uma percepção divina acerca do homem, e do próprio Deus, pois Ele se revelou a nós, não fomos nós que o descobrimos perdido, vagando em algum lugar do espaço.           Tal afirmação não tem como intuito dizer que devemos ser irracionais, mas que devemos ser supraracionais, uma vez que a matéria fé está acima da razão (Romanos 12.1-2) , e ela é completamente necessária para uma devida racionalização acerca de Deus. Não é possível racionalizar para depois crer; é necessário, entretanto, crer para racionalizar (João 20.29) . A primeira forma de se pensar, a partir da razão humana, nos conduz a questões que, invariavelmente, permanecerão sem respostas, como não há desde que o homem começou a se questionar e questionar o mundo à sua volta e o próprio Deus à parte de Deus. Por outro lado, a segunda nos leva a entender todas estas questões da perspectiva divina revelada em Sua Palavra. E isso deve ser assim, uma vez que todas estas ambiguidades estão acima da razão humana sendo, portanto, necessário um implemento divino que nos dá estas respostas, a fé é esse implemento, é dom (presente) de Deus. (Efésios 2.8; Hebreus 11.6) . Soberania divina x rejeição humana        Desta forma, quando olhamos para a revelação suprema de Deus, a centralidade da história não está no homem, na sua criação, na sua existência, ou ainda na sua miséria, mas está no próprio Deus Triúno criador, conhecedor e mantenedor de todas as coisas.  Deus, então, criou o homem sabendo que ele iria pecar e sofrer por que Deus é sádico? Pelo contrário, Deus criou o homem para se relacionar com ele, para dar a ele a oportunidade de ser à Sua imagem e semelhança, no intuito de que no fim Deus mesmo seja glorificado. E isso qualquer que seja a relação do homem para com ele, positiva, ou negativa. Deus nos criou para sua própria glória (Isaías 43.7) . E Ele nos deu esta satisfação mesmo não carecendo Ele de o fazer, mesmo nós não tendo o direito de questioná-lO o por quê (Romanos 9.20) .          Contudo, ainda o homem sendo criado para glória de Deus, o homem O rejeitou, rejeitou Seus preceitos, rejeitou Sua moral, rejeitou Sua soberania. Apesar de não poder, o homem, de alguma forma mudar os planos de Deus (Gênesis 2.17; 3.11; 3.17;  Jó 42.2) . Isso não quer dizer que o homem que rejeita a Deus não glorifica a Deus, glorifica sim e veremos isso posteriormente. Vemos que a decadência humana em todos os seus aspectos são decorrentes de uma ação do próprio homem, Adão, no paraíso, que era o representante da raça humana quando Deus estabeleceu uma aliança com a mesma. Adão era, no momento, o único ser humano existente quando Deus estabeleceu os princípios para que a humanidade se relacionasse com Ele. Desta forma, a queda de Adão proporcionou a toda raça as consequências de seu pecado e rebeldia contra Deus (Romanos 5.12; I João 1.8) ; o seu pecado, foi e é o pecado de toda a raça. Sofrimento humano         Morte, doenças, violência, psicosomatizações, psicopatologias, catástrofes naturais, enfim, tudo o que acarreta sofrimento ao homem é consequência do próprio pecado humano (Gênesis 6.12-13; 18.20; Salmos 32.3-4; Tiago 4.1-4) . Deus afirmou a Adão: “...maldita é a terra por tua causa... até que tornes ao pó, por que tu és pó e ao pó tornarás...” (Gênesis 3.17-19) . A morte gerada na raça humana é uma morte vista em dois aspectos: 1.A morte espiritual inata e suas sequelas, e como consequência dela a 2.morte física e seus efeitos antecedentes, tais como, doenças, envelhecimento, etc. Não seria isso então maldade de Deus deixar o homem à mercê das consequências do pecado? Não poderia Ele ter evitado esta situação? Não poderia ter Deus intervido no momento da tentação de Adão e Eva? De fato, mas desta forma o homem não teria o livre arbítrio naquele momento. Livre arbítrio          Ao contrário do que muitos pensam livre-arbítrio não se trata de fazer o que bem entende isso se chama livre agência, ou gerência. Livre-arbítrio foi a condição de Deus dada aos dois únicos seres que o tiveram, Adão e Eva, para escolherem não pecar, mas eles perderam o livre arbítrio a partir do momento em que pecaram, uma vez que após este evento, o homem é constantemente pecador desde  o seu nascimento, desde a sua concepção, é natural do ser humano a condição de pecador (Salmos 51.5) , sem livre arbítrio, mas completamente responsável por todos os seus atos (Gênesis 4.7) . Se Deus tivesse intervido na situação, o homem seria apenas um autômato teleguiado para exercer funções e execuções previamente e mecanicamente estabelecidas. Entretanto, Deus responsabiliza o homem pelo seu pecado, uma vez que este era o termo da aliança estabelecida com Adão (Gênesis 2.17; Oséias 6.7) .       Não há ser humano que não nasça dentro dessa premissa de pecador, desprovido de livre-arbítrio. Não há alguém que nasça na luz e decida ir para as trevas, como o ledo engano de uma letra de rock que afirma “exit light, enter night”. Todos já nascemos em trevas, mortos espirituais e mortos não decidem nada, mortos não têm condições de ir ao encontro de Deus, pois mortos não possuem vontade própria.  “Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados” (Efésios 2.1).        É fato que existe uma discussão mais do que secular entre livre-arbítrio e predestinação. Não quero delongar nesse assunto, mas quero apenas demonstrar algo. A Bíblia apresenta realmente os dois aspectos. Mas, como vimos, um morto espiritual não pode decidir por si ir até Deus. Mas convenhamos, quando a Bíblia apresenta o homem como responsável por sua salvação ela não está apenas demonstrando a atitude do homem submissa à soberania Divina? Não é uma perspectiva humana da salvação a fim de dar ao homem seu sentimento de responsabilidade sobre seus atos para que ele aceite a Cristo como Senhor? E isso após ter sido vivificado em Cristo pela ação do Espírito? O homem é passivo nessa aproximação que gera a vida espiritual . Naturalmente os textos que mostram Deus como responsável apresentam a soberania como perspectiva suprema. Soberana Providência        Contudo, Deus não deixou o homem só. Não o deixou à mercê das consequências do pecado, mas de antemão previu isso; e na relação econômica da Trindade, por sua misericórdia e divina providência, Deus mesmo estabeleceu que como o homem haveria de pecar e consequentemente estaria sob o jugo do pecado, Ele mesmo encarnaria como homem, viveria de forma pura e santa, sem pecar, e Ele mesmo sofreria as consequências do pecado (como homem), a morte e o sofrimento decorrentes da quebra do pacto no Éden (I Pedro 1.19-20) , sem merecê-las. Desta forma haveria de existir um Ser completamente puro e santo (100% humano, 100%divino), sem pecado, que pagasse pelos pecados, não de todos, mas de alguns que Ele mesmo misericordiosamente escolheu livrá-los da condenação eterna (Efésios 1.4)  como pena consequente do pecado (2 Timóteo 1.9, 1 Pedro 3:18 ) . E Deus mesmo não pode ser acusado de injusto por que escolheu, dentre toda a humanidade que estava a caminho do inferno, salvar uns e predestinar outros ao inferno: Romanos 9:20  Quem és tu, ó homem, para discutires com Deus?! Porventura, pode o objeto perguntar a quem o fez: Por que me fizeste assim? Questionar a Deus sobre suas decisões é um ato simples e puro de rebeldia. Exclusividade           Era necessário que, de fato, Deus morresse na cruz como homem por três motivos: 1. Não há possibilidade de que nenhum homem pudesse assumir tal responsabilidade para si, pois todos já nascem em pecado, e um pecador pagar pelos pecados de outro pecador é irracional (Ezequiel 18.4) . 2. Desta forma temos um Deus que se compadece de nossa condição humana, pois Ele viveu como homem, sabe o que é sofrer; e como tal tem plenas condições de nos conceder o perdão necessário para que possamos ter reatada a relação com Deus quebrada no Éden (Hebreus 4.15) . A queda de Adão no paraíso não foi acidental, mas determinada na eternidade por Deus para que, um dia, Ele providenciasse a salvação para o homem que quisesse conviver com ele por sua vontade (livre-agência), dada por Ele mesmo (Marcos 16.16; I Pedro 1.23) . 3. Necessariamente teria de ser um justo pagando pelos pecadores (I Pedro 3.18; I João 2.1) . Mas por que então o crente continua a sofrer com a morte, já que Cristo pagou pelos nossos pecados?Pecado e sofrimento          A morte para o crente tem um peso diferente do peso da morte para o descrente. Quando aceitamos a Cristo como nosso único mediador (e só pode ser Ele dados os motivos acima, entre outros) o crente passa a ver o que de fato o pecado é, uma afronta a Deus que o libertou do próprio jugo do pecado. E quanto mais o crente aprofunda seu conhecimento nas Escrituras, na própria revelação suprema de Deus, sobre o que Ele é e quais seus planos para a humanidade, e estreita cada vez mais seu relacionamento com Ele, cada vez mais o crente quando peca se entristece devido ao fato de ter nele o Espírito Santo para o alertar (Efésios 1.13; 2 Coríntios 7.10) .                 A vida para o crente é uma constante luta contra o pecado, por isso quando morre, sua luta termina e passa a gozar da presença divina de forma intensa. Para o crente a morte se torna de fato um alívio da opressão do pecado. Por isso Paulo afirma: “Ora, de um e outro lado, estou constrangido, tendo o desejo de partir e estar com Cristo, o que é incomparavelmente melhor” (Filipenses 1:23) .             Ao contrário, a vida do descrente não há o peso do pecado sobre ele no sentido de que ele não se importa, ou para ele não faz diferença pecar ou não (Salmos 36.1-2) . Não se trata aqui de ser um bom marido, um bom filho, esposa, etc. Por que a salvação eterna não é por pura moralidade, por obras, por boa intenção; pois destas o inferno está cheio; uma vez que a salvação é somente pela graça (Efésios 2.8)  e não pelo mérito humano. O ser humano só passa a sentir desprazer no pecado quando ele se submete ao senhorio de Cristo (Salmos 36.9-10)  para que Ele: 1.impute justiça a esse (Romanos 3.24) ; 2.conceda-lhe o Espírito Santo (Efésios 1.13) ; 3.retire dele o poder do pecado (I João 3.9) ; 4.lhe dê uma nova perspectiva de vida (João 10.10) ; 5. Lhe dê condições para que se submeta à sua Palavra (Salmos 1.2;  2 Timóteo 4.3-4) . E que por causa Dele, Ele: 6.Lhe dá a vida espiritual de presente para que possa crer Nele mesmo (Efésios 2.1, Colossenses 2.13) ; 7. Lhe permite ser chamado de filho de Deus (João 1.12) ; 8. Lhe conceda a vida eterna com Ele mesmo (João 3.16; Apocalipse 21.3) .           Há sofrimento tanto na vida do crente, quanto na vida do descrente, contudo, o grande sofrimento do descrente na vida são as consequências de seus próprios pecados, o que também não deixa de ser para o crente; enquanto que a grande luta do crente é e deve ser não pecar e o seu sofrimento quando peca. Mas quando o crente morre, seu sofrimento é posto fim, e quando o descrente morre sentirá saudades do sofrimento da vida. Para que e o que pregar?              Então devemos pregar o evangelho do Senhor Jesus mesmo sendo ele soberano? Isso é óbvio! Mas já houve quem disse que o óbvio também precisa ser dito para não ser esquecido. Ninguém conhece quem são os eleitos a não ser o próprio Deus. De fato o evangelho precisa ser anunciado! Todavia o que não é tão óbvio assim é que muitos falsos evangelhos de muitos falsos cristos estão sendo pregados e a massa incauta não percebe isso. Um olhar na superfície dos evangelhos e outros textos bíblicos nos leva a crer em uma difusão tal qual outra religião qualquer pregando: paz, amor, harmonia. Mas isso é irracional. É irracional uma vez que: 1.o mundo jaz no maligno (I João 5.19) ; 2.o mundo vos odeia (João 15.19) ; 3.só há um caminho para Deus (João 14.6)  ; 4.só há um caminho para verdadeira felicidade (Tiago 1.2; I Pedro 1.3-9) ; 5.só há um único caminho para verdadeira paz e harmonia (Colossenses 1.20) . 6.qualquer ser humano é completamente corrupto para o pecado, totalmente depravado no sentido de que todas as suas faculdades e áreas da vida são manchadas pelo pecado (Isaías 64.6; Romanos 3.12)  e portanto não podem alcançar uma harmonia com Deus à parte de Cristo.                   Todas estas questões precisam ser vistas conforme a relatividade de cada uma delas da seguinte forma: O mundo busca harmonia com quem e com quem o evangelho oferece harmonia? Quando o mundo oferece paz, devemos questionar: paz com quem e com quem o evangelho oferece paz? Quando devemos, ou ouvimos pregar o evangelho, perguntemos: o que é o evangelho?  Quando na Bíblia vemos Jesus alertando sobre no futuro haver falsos cristos, falsos mestres e falsos evangelhos devemos ser criteriosos em avaliar o que vem a ser isso. Se o Diabo lhe aparecesse tal qual a figura horrenda que lhe designaram para ser sua imagem, você o seguiria? Claro que não. Mas e se ele pregasse para você um evangelho maravilhoso que supre todas suas necessidades, um evangelho provedor de uma paz totalmente zen e com o próximo, seja ele quem for; um evangelho que lhe proporcionasse uma completa harmonia com o cosmos, isso lhe atrai? Não somente você, mas bilhões buscam e pregam isso (Mateus 24.24; 2 Coríntios 11.14-15) . Exclusividade do evangelho           Quando vemos o evangelho sendo pregado e absorvido desta forma banalizada, o que o torna diferente de qualquer outra religião? Absolutamente em nada ele é diferenciado. O pecado do homem continua sendo acobertado, amenizado e até mesmo se torna “inexistente” em algumas religiões. O evangelho satânico diz que o pecado não é algo que precisa ser considerado com muita ênfase; e que a sua negação na vida pessoal não precisa ser buscada para se ter uma vida plena como prometida por Deus e enfatiza o ser humano e suas carências.               O imediatismo da nossa cultura requer que tenhamos nossas necessidades de amor, carinho e compreensão satisfeitas e o falso evangelho prega isso, pois é de fato uma real necessidade do ser humano devido ao pecado. Contudo, isso é como tratar de um tumor que causa dor de cabeça com aspirina, ao invés de uma cirurgia. É tratar da consequência sem tratar da causa.  Precisa-se perceber que todas estas necessidades são consequência do pecado, ele é a raiz de todo mal, carência e das adversidades na raça humana e que invariavelmente cada um vai defender o seu lado de forma a criar todos os problemas decorrentes desta situação.          Mas se ao contrário do mundo nos mantermos sob a luz do evangelho de Cristo que aponta nossos erros e pecados, temos paz com Deus e com o irmão (I João 1.7) . Entretanto pregar sobre o pecado é algo que assusta as pessoas, distancia-as da igreja, de qualquer religião, de qualquer pessoa que tente nos alertar sobre ele. Ninguém gosta de ver seus erros expostos mediante uma pregação. A sensação que se tem que o pregador só falta falar o seu nome. Mas é isso de fato o que acontece quando a palavra de Deus é pregada de forma fiel. Pois ela é uma espada de dois gumes: “Porque a palavra de Deus é viva, e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até ao ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e propósitos do coração”. (Hebreus 4:12)           Mas é exatamente essa a mensagem do evangelho ele expõe todas as entranhas podres do ser humano. O ser humano é pecador (Romanos 3.23)  e invariavelmente cada um precisa ser reconciliado (entrar em harmonia) com Deus (2 Coríntios 5.18; Colossenses 1.22) , por meio da paz promovida através da mediação de Cristo (Romanos 5.1; I Timóteo 2.5) . Desta forma quando nos submetemos ao senhorio de Cristo (Romanos 10.9; 2 Coríntios 4.5; I Pedro 3.15)  nos tornamos oposição do curso do mundo e do próprio mundo enquanto descrente. Nos reconhecemos pecadores e nos sentimos incomodados por isso, buscamos em Deus não cometermos os mesmos erros, e o descrente não se dá conta e nem se importa com estas questões.           Por esta causa não há possibilidade de alguém que não aceitou a Cristo como Senhor de sua vida entrar em acordo com quem já o fez (2 Coríntios 6.14-15; João 15.19)  principalmente no que diz respeito ao caminho a se seguir na vida, quanto aos exemplos de vida a serem seguidos, quanto à que preceitos se ter como princípios de vida, por que como já lembramos: “o mundo jaz no maligno” enquanto o crente segue rumo oposto (Mateus 12.30; I Pedro 1.14) .          É por isso que em muitas passagens de nossas vidas, e também na Bíblia, encontramos uma verdadeira batalha entre os verdadeiros crentes e descrentes no plano físico; por que forças opostas, mas não equivalentes, (pelo contrário há uma descompensação grotesca entre Deus e o maligno), estão batalhando no plano espiritual. Tais batalhas mais se identificam com tentativas desesperadas de Satanás sabendo que seu fim é certo e próximo do que uma medição de forças propriamente dita (Mateus 10.34-38) . É tal qual um cão latindo preso à corrente (Mateus 12.28-30; Apocalipse 20.1-3; Judas 1.6) .            De mesma sorte a mensagem do evangelho não é passiva, nem negligente com o pecado (Mateus 3.7-12; 12.34-35; 23.33-39) .  “Ora, na vossa luta contra o pecado, ainda não tendes resistido até ao sangue” (Hebreus 12:4). Isso também se torna bem evidente na primeira pregação do evangelho após a morte e ascensão de Cristo em Atos 2.14-39  com destaque para os versículos 23 e 38 no que diz respeito ao apontamento do pecado e conclamação ao arrependimento. Mostrando a esperança da vida eterna em Cristo Jesus, pois Ele mesmo resuscitou como que sendo nosso modelo de ressurreição (I Pedro 1.3-5) .          Quando há uma certa harmonia do crente com o mundo no sentido de que ele não é, vez por outra, perseguido; se ele se dá bem com todo mundo; devemos nos perguntar: não existe algo de errado com isso? Se o mundo se opõe à Cristo de forma natural induzida por Satanás, como pois o crente terá harmonia com o mundo se ele foi criado para ser à imagem de Cristo, ou seja, refletir a Cristo no mundo? Quando o mundo olha para o verdadeiro crente, o que ele vê, não é o crente, mas a Cristo.          Ao contrário disso, é sendo de fato conforme Deus planejou para o crente (Romanos 8.29)  que ele glorifica a Deus. Da mesma forma o descrente glorifica a Deus, sendo conforme Deus o planejou (Romanos 9.17-25) . Desta maneira, quando Cristo voltar para executar seu juízo sobre toda a raça humana de todos os tempos, tanto crédulos, quanto incrédulos glorificarão a Deus, tantos os mortos ressurretos quanto os que estiverem vivos neste dia. Uns por que segundo os propósitos e desígnios de Deus aceitaram tê-lO como Senhor; outros por que não aceitaram em vida e mesmo assim o declararão como Senhor, só que tarde demais para receberem a graça da salvação. (Romanos 14.11; Filipenses 2.10-11) .    Boas obras        Mas isso não pode nos levar a crer que a caridade, o amor para com o próximo e coisas relativas a isso não fazem parte da vida do crente. Contudo, elas não são, em nenhuma hipótese, o meio de vida do crente, ou o meio para se galgar um espaço no paraíso eterno; a salvação não é por obras. (Efésios 2.8-9).  O lugar destas coisas na vida do crente é que elas devem ser uma resposta de gratidão a Deus pela salvação recebida, não um meio para se chegar a ela. Rapidamente para elucidar uma aparente contradição entre Paulo e Tiago, quando o segundo afirma que a fé sem obras é morta (Tiago 2.17) . Ele não está afirmando que é necessário fé para salvação, mas que alguém que diz ter fé em Cristo, necessariamente há de ter obras como resposta à salvação. É exatamente o que ele conclui (Tiago 2.22) .         Contudo, tais obras têm critérios para sua execução, três básicos são: 1. com os da própria família (ITimóteo 4,16) ; 2. com os irmãos da fé (Gálatas 6.10) ; 3. Com o mundo e; 4. com os próprios inimigos. (Lucas 6:35)  Pecado e morte física       Vendo a morte física como consequência do pecado ela também precisa ser eliminada da raça humana, por isso a revelação de Deus também nos promete a ressurreição do corpo. Mas esta ressurreição precisa proporcionar algo diferente nesse novo corpo (Apocalipse 21.4) . Se o novo corpo for sujeito ao pecado, como o de Adão o era, novamente a raça humana cairia em pecado e Deus teria de tirá-lo mais uma vez do paraíso. Mas o que Deus promete é que esse novo corpo não estará sujeito às consequências e nem será propenso ao pecado (I Coríntios 15.53)  e, portanto, imortal com impossibilidade de pecar.       Tal mesmo também será com o corpo dos ímpios. Serão imortais, contudo para sofrimento eterno (Daniel 12.2) . E mesmo assim Deus será glorificado, pois uma promessa havia sido dada em Gênesis 3.15. Essa promessa era uma maldição de Deus dizendo a Satanás (Gênesis 3.15; Apocalipse 12.9)  que um homem (descendente da mulher) viria para destruir a obra que ele, Satanás, havia feito na raça humana, a morte. Por isso Paulo assevera que o último inimigo que Cristo destruiria é a morte, no que diz respeito à humanidade, uma vez que Cristo pessoalmente já a venceu (Mateus 28.6; Atos 2.24)  e agora aguardamos a aplicação dessa vitória na raça humana (I Corintios 15.22-26) . Desta forma podemos responder sucintamente às perguntas: 1. Porque Deus sabendo que o homem iria pecar, o criou assim mesmo? Para sua própria glória. Apesar disso  Ele não tem de explicar nada para ninguém. Ele é Deus é completamente soberano e não pode ser questionado por suas razões. 2. Por que tanto sofrimento na vida presente e a salvação depois somente após a morte? A culpa é do próprio homem. Deus não pode ser responsabilizado pelo pecado. 3. O evangelho de Cristo é um evangelho de paz, de amor e compaixão para com o próximo? Absolutamente a paz que o mundo oferece, bem como o amor e a compaixão são meras obras destituídas da graça de Deus e vão para o inferno todos os que a praticam a menos que estejam devidamente arraigados na graça do Senhor. 

Nenhum comentário: